Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livro de Reservas

Bem vindos! Sou apenas uma Turista cheia de bagagem, em viagem pela Vida, registando Reservas aqui e ali num Hotel chamado mundo.

Livro de Reservas

31.Ago.18

Confissões #10

Mi
Nos meses que se desenrolam em ano após ano, percebe-se o que foi vivido e aprendido. Há fases que percebemos que fecharam ciclos e foram de duras, mas importantes aprendizagens e, por mais tempo que passe, fica sempre difícil dissociar sentimentos. Num momento em que se avizinha, para mim, um período de trabalho muito intensivo, dividida entre três empregos, novamente, consola-me sempre organizar assuntos que estão pendentes; faz-me sentir que entro na nova fase de trabalho com (...)
28.Jul.18

Confissões #9

Mi
Ultimamente, tenho-me deixado absorver pelo turbilhão de acontecimentos: da família, do trabalho, das amizades. Tenho-me focado tanto no que que é menos positivo que me deparei, novamente, num ciclo obscuro e deprimente.Há um par de dias conversava com a S., depois de alguns desabafos quando ela me diz: foca-te no que tens de bom. As palavras ecoaram: como é que ainda não tinha chegado lá sozinha? Porque estava tão concentrada em tudo o que se estava a passar, fora do meu controlo, (...)
15.Jul.18

Confissões #8

Mi
O sol estava quente enquanto fazíamos a viagem de regresso de Coimbra, com o meu avô. O meu Pai conduzia, já visivelmente cansado; os tratamentos estavam sensivelmente a meio. Comecei a pensar que à medida que os nossos Pais envelhecem, tornam-se filhos dos próprios filhos. Tem alturas em que a vida é triste.Abri a janela e senti o vento a refrescar-me... deixei a mão a esvoaçar e os pensamentos a saltitar. O sol batia agora na água e fechei os olhos para absorver aquele momento (...)
06.Jul.18

Confissões #7

Mi
Eu e o meu namorado celebrámos, recentemente, 10 anos de namoro.Dou por mim, algumas vezes, a pensar como a vida nos traz alguém que nos acompanha na nossa jornada, que testemunha os nossos dias e que está disposto a dar-se, em pequenos gestos.Dez anos permitiram-nos crescer sozinhos e um com o outro e perceber onde queremos chegar juntos. Trouxeram-nos a um patamar de maturidade em que existe, sobretudo, respeito. O amor e a paixão nunca morrem, mas o tempo faz-nos entender que ter (...)