Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Livro de Reservas

Bem vindos! Sou apenas uma Turista cheia de bagagem, em viagem pela Vida, registando Reservas aqui e ali num Hotel chamado mundo.

Livro de Reservas

28.Set.16

Rabiscos - X

Mi

Do último andar do prédio ela observava o sol de outono a escorregar no horizonte; as andorinhas continuavam atarefadas nos seus voos, banhando-se nos últimos raios de luz. Dali conseguia avistar uma pontinha da casa dele, no aglomerado de apartamentos daquele bairro. Aquela zona trazia-lhe demasiadas recordações: as horas de almoço em que comia, apressadamente, dentro do carro estacionado a escassos metros da casa dele, para não perder tempo precioso a deslocar-se de muito longe, os passeios de início da noite, a adrenalina dos encontros secretos. Gostaria de lhe ligar e dizer-lhe o quanto sentia saudades dele.

Ela sabe que a despedida aconteceu... aquela sexta feira à noite que se junta a outras tantas recordações. Sente que aquele abraço tão apertado foi um adeus e ainda assim, nos últimos dias, é como se a dificuldade enorme de aceitar isto lhe tolhasse os pensamentos e a deixasse a fraquejar. Fecha os olhos enquanto sente a brisa morna do fim da tarde e pensa como é tão difícil esquecer... Pensa o que é que precisa de fazer. As lágrimas escorrem agora gordas e descontroladas. Questiona-se se ela foi tão inesquecível para ele, como ele foi para ela e, secretamente, pede um sinal... que não chega, na verdade. Afasta a ideia dele nos braços da outra e, sem saber, o seu mundo interior desaba mais um pouco, ao se aperceber que ele nunca testemunhará a sua vida e ela nunca será a sua companheira. Não entende o porquê de tudo isto, o porquê dele ter invadido a sua vida, de se ter tornado no seu ponto fraco. Não entende porque é que ele se deu a tanto trabalho, para depois a deixar sem norte e sozinha.

Fecha a janela, seca as lágrimas e sai. Ela sabe que já não há nada que a faça pertencer ali.

 

 (Este texto está em Desacordo Ortográfico)