Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Livro de Reservas

Bem vindos ao Blog de uma Técnica Superior de Turismo. Dificuldades, Histórias, Curiosidades, Horas de Desespero e de Realização.

Livro de Reservas

28.Ago.18

Aconchegos #3

Mi

Os dias correram, sem pressa. Fechar os olhos e estar em movimento, sentir o vento na cara, observar os campos, as ervas a dançar, as montanhas recortadas no horizonte, o calor reconfortante do sol: um refúgio de tranquilidade.

Estrada fora rimos (muito!), fizemos planos para a Vida, escolhemos músicas, cantámos e improvisámos caminhos; de mãos dadas almoçámos junto ao mar, pisámos a areia das praias, sentimos os peixes nos pés, subimos dunas. A cada momento sentia felicidade, genuína. Esqueci o que já foi, aprendi o perdão próprio, despreocupei-me com o que já não me pertence.

Os dias passaram tranquilos, repletos! Celebrámos o aniversário dele, passeámos e procurámos ideias para a nossa casa nova. Voltámos à estrada, abracei a minha irmã, nadei ao entardecer enquanto lágrimas de contentamento se misturavam com as ondas do mar, respirei tão profundamente, vimos o pôr do sol e estendemo-nos nas espreguiçadeiras. Explorámos, enchemos a barriga e o coração.

Regressámos.

E agora é tão bom sentir novos recomeços: mudança de casa, mais um novo emprego! Estou serena e feliz. A importância de perceber prioridades, de valorizar e de dar o nosso tempo a quem faz, realmente, o melhor por nós, é um conforto inexplicável. Um dia de cada vez, sem falsas serenidades, confiando no melhor que está por vir, aceitando as provações que espreitam, aprendendo a aceitar os desafios com paciência. Sinto-me inspirada e tenho paz.

O caminho novo é mais pleno, mais desligado do que é acessório, mais focado e organizado.

Sei que nos dias menos bons basta fechar os olhos e recordar a simplicidade destes dias que me trouxeram tanto: recordar as estradas longas que percorremos ao sabor do vento, o aconchego do sol. Foram quilómetros infinitos de cumplicidade: a metáfora perfeita para a Vida...