Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livro de Reservas

Bem vindos! Sou apenas uma Turista cheia de bagagem, em viagem pela Vida, registando Reservas aqui e ali num Hotel chamado mundo.

Livro de Reservas

18.Abr.18

Uma rotina de quatro empregos...

Mi

Na minha agenda continuo a rabiscar as coisas fofas de todos os dias que ainda não tive oportunidade de passar aqui para o Blog.

As minhas últimas semanas resumem-se a uma palavra: trabalho; aliás, a duas palavras: quatro empregos.

Há um ditado antigo que diz: "não há fome que não dê em fartura", mas o que mais me assusta é se a fartura também não pode dar em fome.

Profissionalmente, sinto-me realizada, mesmo sem horários regulares, fins de semana ou dias de descanso: dou aulas numa escola profissional, sou rececionista num ginásio ao fim de semana, dou formações pós-laborais e, neste mês de Abril, como vem sendo rotina desde 2016, trabalho na produção de um Festival de Música ligado a um Conservatório.

 

Como tem sido gerir a rotina? Não me vou estar a armar em super dona de casa perfeita, porque não é verdade. O chão da minha casa, em geral, está por lavar há cerca de 3 semanas e o pó acumula-se em móveis estratégicos (felizmente não tenho muitos). O quarto de hóspedes está cheio de roupa minha e pela sapateira parece que um tornado por lá andou. O exaustor precisa de uma limpeza profunda, assim como os vidros e as persianas. As varandas precisam da cara lavada para colocar, finalmente, alguns vasos e tripés com flores. O ferro e a tábua de passar estão de férias há cerca de um mês, mas não deixo de colocar a roupa a lavar. Parece o caos mas aprendi, com o meu namorado, que há coisas prioritárias. Com a ajuda dele tem sido fácil suportar a rotina, sempre que aspira a casa, arruma a loiça ou faz batata doce e atum para o jantar quando eu não vou a tempo.

 

Sendo eu uma pessoa obcecada com a organização, perfeccionismo e arrumação estas fases podem tornar-se stressantes, mas percebi que por muita boa vontade que tenha em manter a casa arrumada, o tempo não chega. Já não é só uma questão de organização, é mesmo de tempo; e entre conseguir dormir uma sesta reparadora e ir esfregar a casa, escolho a sesta, porque tempo para dormir e descansar é importante, preciso disso para continuar esta rotina exigente.

 

É uma fase em que não tenho nem tempo para os amigos, que felizmente não me cobram atenção, apenas compreendem que é esta a minha vida.

Já me perguntaram se eu tinha assim tanta necessidade de dinheiro para trabalhar que nem louca, muitas vezes mais de 12 horas, sem dias de pausa... Para já, não. Mas lá está, nunca sei o dia de amanhã. Tenho uma vida confortável, em que, Graças a Deus, não precisamos de estar constantemente a contar o dinheiro se me apetece comprar algo para mim ou para a nossa casa. É uma vida que nos permite ir almoçar ou jantar fora caso não seja possível cozinharmos nessa altura. Tanto eu como o meu Namorado trabalhamos muito para podermos ter uma vida estável e para termos uma almofada que nos permita passar por meses em que eu receba menos dinheiro (hello recibos verdes).

E eu, colecciono vários empregos ao mesmo tempo, por gosto, mesmo. Para me sentir ativa e tal como qualquer pessoa do signo Balança, mesmo não sendo materialista, gosto de ganhar dinheiro e ter sucesso (quem não...)

 

Estou, neste momento, sentada numa mesa tão familiar, com o sol a entrar pelas portadas bracas que ornamentam as janelas do século XVIII, a pensar como estou quase no fim de Abril. A pensar como a azáfama deste Festival me vai deixar saudade.

Fazer o que gostamos é isto: é ver os dias passar, monopolizados por tanto que fazer, sem pressa que eles acabem.