Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livro de Reservas

Bem vindos! Sou apenas uma Turista cheia de bagagem, em viagem pela Vida, registando Reservas aqui e ali num Hotel chamado mundo.

Livro de Reservas

28.Set.16

Rabiscos - X

Mi

Do último andar do prédio ela observava o sol de outono a escorregar no horizonte; as andorinhas continuavam atarefadas nos seus voos, banhando-se nos últimos raios de luz. Dali conseguia avistar uma pontinha da casa dele, no aglomerado de apartamentos daquele bairro. Aquela zona trazia-lhe demasiadas recordações: as horas de almoço em que comia, apressadamente, dentro do carro estacionado a escassos metros da casa dele, para não perder tempo precioso a deslocar-se de muito longe, os passeios de início da noite, a adrenalina dos encontros secretos. Gostaria de lhe ligar e dizer-lhe o quanto sentia saudades dele.

Ela sabe que a despedida aconteceu... aquela sexta feira à noite que se junta a outras tantas recordações. Sente que aquele abraço tão apertado foi um adeus e ainda assim, nos últimos dias, é como se a dificuldade enorme de aceitar isto lhe tolhasse os pensamentos e a deixasse a fraquejar. Fecha os olhos enquanto sente a brisa morna do fim da tarde e pensa como é tão difícil esquecer... Pensa o que é que precisa de fazer. As lágrimas escorrem agora gordas e descontroladas. Questiona-se se ela foi tão inesquecível para ele, como ele foi para ela e, secretamente, pede um sinal... que não chega, na verdade. Afasta a ideia dele nos braços da outra e, sem saber, o seu mundo interior desaba mais um pouco, ao se aperceber que ele nunca testemunhará a sua vida e ela nunca será a sua companheira. Não entende o porquê de tudo isto, o porquê dele ter invadido a sua vida, de se ter tornado no seu ponto fraco. Não entende porque é que ele se deu a tanto trabalho, para depois a deixar sem norte e sozinha.

Fecha a janela, seca as lágrimas e sai. Ela sabe que já não há nada que a faça pertencer ali.

 

 (Este texto está em Desacordo Ortográfico)

 

26.Set.16

Coisas fofas da semana #45

Mi

Mais uma vez, os meus "amigos" da Meo privaram-me de uma utilização viciante da internet. Felizmente, chegaram a tempo de, pelo menos, poder escrever o meu post semanal de coisas fofas :)

1 - Uma tarde de raparigas, com a minha amiga D., em que passámos o dia a rir;

2 - Ficar com calos dos pesos e das barras no Crossfit;

3 - Sentir-me a não perder a esperança;

4 - Fazer arrumações;

5 - Cozinhar;

6 - Ganhar coragem e confrontar uma pessoa que, aparentemente, me prejudicou;

7 - Correr a minha primeira mini-maratona e terminar, sem nunca ter parado :)

(Este texto está em Desacordo Ortográfico)

 

21.Set.16

Rabiscos - IX

Mi

Percebemos facilmente quando chegamos ao nosso destino; não um destino físico qualquer, mas espiritual e emocional. O coração fica leve, a cabeça mais decidida e a vontade de ver o que o dia nos trará não assusta mais. Cheguei ao meu destino, depois de 4 meses de viagem... Uma viagem atribulada, perpetuada por aprendizagens realmente inesquecíveis, mas sobretudo por momentos únicos em que aprendi a ouvir, a perceber, a errar e a ser feliz.

Ontem li uma coisa maravilhosa sobre conhecermos alguém porque precisamos de mudar a nossa vida (muitas vezes sem nos apercebermos) e, foi aí que percebi que toda esta viagem de 4 meses precisou de acontecer. Agora que tudo está "encarreirado", faz sentido para mim. Tentei agarrar-me a momentos que não voltariam, a palavras que alimentaram a minha solidão e ainda assim, isso não me trouxe o equilíbrio que procurava. Não percebi que isso apenas faria parte da viagem e não era o destino final. Não esquecerei as confidências, as mensagens inesperadas, a sensação de protecção e atenção, a descontração e a leveza dessas horas; mas aprendi que tudo isso passou e serão boas recordações que já não me pesam no coração.

Há 4 meses estava em pânico por ver o tempo a passar e eu não perceber o que precisava, afinal. Cheguei ao meu destino e, neste último dia de Verão, não estou a deixar coisas para trás, muito pelo contrário, estou a fechar um capítulo, um capítulo importante e que marcou muito a minha vida. O Verão trouxe-me um crescimento enorme, momentos e experiências únicas que vivi pela primeira vez e nada aconteceria sem abraçar esta viagem que se tinha iniciado.

Fecha-se este ciclo, sem mágoas ou sentimentos pesados - ficaram as pessoas importantes, reforcei laços, vivi, chorei muito mas agora, sorrir tem muito mais sentido e significado para mim. Não vale a pena querer prender o que não é para nós, forçar o que não está destinado e vivermos limitados ao sentimento de pertença... Não possuímos ninguém e também não somos posse de ninguém; somos de nós próprios e só assim é possível construirmos a nossa vida, de dentro para fora.

Estou grata por tudo o que me aconteceu nos últimos meses. A gratidão é, sem dúvida, um sentimento tão bom que deve ser partilhado e devemos dizê-lo às pessoas que nos ajudam a sorrir e que nos ajudam a transformar a nossa vida, todos os dias, um bocadinho.

 

Nada na vida vem por acaso e isto, é uma verdade extraordinária. :)

 

  (Este texto está em Desacordo Ortográfico)

 

20.Set.16

Coisas fofas da semana #44

Mi

Diria que a felicidade é simples... é... ainda que seja posta à prova. Ser feliz custa pouco, pede-nos apenas olhar com uma perspectiva positiva todos os momentos do nosso dia, a partir do minuto que acordamos. E depois? Depois há as barreiras, os condicionantes, os factores tão externos a nós que nos deixam cansados de lutar pela felicidade. E, chega o dia em que precisamos de fazer uma pausa à positividade, somos assombrados pela frustração, pelo desassossego, pela desconsolação.

Hoje é o meu "tal dia de pausa" e o melhor que tenho a fazer-me é agarrar-me às minhas coisas fofas da última semana:

 

1 - A minha amiga J. já ter data para o casamento :)

2 - Sentir amor.

3 - Comer sardinha em casa dos meus avós.

4 - Ir a casa da minha amiga D. e acabarmos a dormir a sesta, debaixo das mantinhas.

5 - Um reencontro que me preencheu :)

6 - Ter coisas pelas quais agradecer todos os dias.

7 - Começar o dia bem cedo, com meditação ao ar livre.

 

 

(Este texto está em Desacordo Ortográfico)

Pág. 1/2