Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livro de Reservas

Bem vindos ao Blog de uma Técnica Superior de Turismo. Dificuldades, Histórias, Curiosidades, Horas de Desespero e de Realização.

Livro de Reservas

26.Fev.16

O recrutamento no século XXI

Mi

Lembram-se desta entrevista aqui? Pois bem, fui hoje chamada à empresa para saber que me tinham seleccionado (aparentemente, o discurso de falsidade resulta) e fiquei a saber também que as condições mudaram e agora seria para estágio profissional. Esta empresa aqui, dona de si, pretensiosa e com a mania que é boa empregadora é igual a um par de centenas que pululam por aí. E ficam com cara de choque quando temos a coragem de recusar a oferta. Eu sou uma pessoa politicamente correcta, não "bato com a porta" com má educação e, vendo a forma como as pessoa recrutadoras tratam os futuros colaboradores só porque dizem que não aceitam, acredito que muitas coisas têm de mudar. Especialmente aprenderem a lidar com a rejeição...

 

No final do ano passado aconteceu-me uma coisa semelhante com uma multinacional aqui da região. Eu candidatei-me para uma vaga como Assistente de Gerência Hoteleira e, depois de todo o processo de recrutamento, ligam-me a dizer que fui seleccionada para outra vaga, como Recepcionista de Hotel (ok...) Tive a coragem de dizer que não estava interessada e consegui perceber a estupefacção na voz de quem me ligou, do género: Como não?! Como não quer vir trabalhar para um grupo multinacional que paga o salário mínimo aos colaboradores, onde as condições são obscuras e só entra em funções "importantes" se tiver uma cunha?

 

Começa a ser demasiado óbvio o poderio que as entidades empregadoras sentem ao terem meia dúzia de currículos na mão, com ofertas precárias, utilizando o mesmo argumento de sempre: se tu não quiseres, há mais quem queira. E o valor que essa pessoa poderá ter para a empresa? Não se luta por ela, nem um bocadinho? O mundo do trabalho está uma selva, aliás, o Mundo em geral... Ir a entrevistas são oportunidades, sempre. Sobretudo de aprendizagem.  Eu já desconfio de duas coisas muito importantes que considero reflectirem muito dos valores da Empresa:

1 - Quando só falam em dinheiro;

2 - Quando todos os colegas têm de se tratar por Drs. ou Engenheiros;

 

No fundo, ando saturada disto tudo; mas lá tem que ser...

Hoje estou satisfeita por ter sido fiel às minhas próprias aspirações. Sou uma pessoa introvertida, custa-me dizer não, recusar na cara é um desafio... Contudo, rejeitar ofertas neste tempo de "crise" faz-me sentir uma péssima pessoa, sobretudo por parecer estar em contradição e por sentir que decepciono quem está à minha volta.

 

 (Este texto está em Desacordo Ortográfico)

25.Fev.16

Desvairos #2

Mi

Quando me sinto feliz, rezo a Deus. Quando me sinto grata, rezo a Deus. Quando me sinto perdida, rezo a Deus. E rezo para pedir mais uma oportunidade, comprometendo-me (com Ele e sobretudo comigo) que desta vez é que será. Mas às vezes não é. Então vou em busca da mais outra oportunidade, tentando convencer-me a mim própria que desta vez é que é. Desta vez que é que arranjo um emprego certinho, desta vez é que não me vou desiludir, desta vez é que vou ser feliz com as minhas escolhas... mas quando dou conta, estou encostada à parede com o medo de dizer não. E, na busca desesperada de encontrar soluções para a desarrumação que vai na minha cabeça, arrumo tudo o resto à minha volta: o bambu na secretária, as meias por cores, os cestinhos para os clips, as molas para os post-its. Contudo, este meu escape começou a deixar de ter efeitos no meu consciente. Já não me chega organizar as coisas, porque continua a faltar-me organizar a minha cabeça e encontrar o meu rumo. Tenho 27 anos, pelo amor de Deus... Já deveria ter a minha vida arrumada? Pensada? É tão fácil, tantas vezes descobrirmos aquilo que não queremos, que saber o que queremos torna-se um exercício difícil. Ou será que é só de mim? Será que sou eu que aplico alguma resistência à descoberta? Estou demasiado confortável no meu mundo de certezas? Sou eu que não sei "brincar aos adultos", assumir sacrifícios e responsabilidades?

Como é que se descobre o rumo? Como é que se decide com confiança? Tantas perguntas que tantas vezes me assaltam em pleno dia ou que não me deixam adormecer à noite...Gostava mesmo de encontrar o meu caminho, ainda que eu saiba que o caminho se faz caminhando... mesmo se andamos à deriva?

Querido Deus, dá-me só mais outra oportunidade... Desta é que vai ser, não vai?

 

 

24.Fev.16

Ainda sobre as Entrevistas de Emprego...

Mi

A minha mais recente entrevista resume-se a isto:

- Blá, blá, blá... perguntas do costume... blá, blá, blá... Até que chega a parte em que é apresentada a empresa e as condições propostas:

- O trabalho exige muita responsabilidade, pois terá que se deslocar de repente para o Algarve, por exemplo, para levar os materiais e produtos necessários para os eventos. É capaz disso? Há eventos que decorrem à noite e ao fim de semana, pelo que terá que ter disponibilidade fora do horário normal de trabalho. Outra coisa que é importante referir é que aqui não existem banco de horas. Mas caso precise de um dia para ir ao médico, não lhe marcamos falta. Parece-lhe, ainda assim, uma boa proposta de trabalho?

Respondo eu:

- Claro, são tudo funções inerentes a este cargo, que compreendo perfeitamente (entretanto está o meu cérebro a dizer-me: Mas que m**** é que acabaste de dizer?!)

Contrapõem eles:

- Continua a considerar esta uma boa proposta?

Eu: - Esta função continua a corresponder às minhas expectativas profissionais (volta a dizer-me o meu cérebro: Mas estás pedrada, ou quê?!) (e esta resposta não soa a super falso, ou é só de mim?)!

 

Agora pergunto eu, mesmo depois deste pequeno desabafo, se alguém na mesma situação teria coragem de dizer que "Olhe, não me leve a mal, mas afinal não estou interessada em trabalhar feita escrava, 3 semanas seguidas, sem ter tempo para a minha família, para dormir ou para recuperar a minha sanidade mental. Passem bem".

Será que é só de mim, ou toda a gente mente um bocadinho nas entrevistas?

O mercado de trabalho vai mesmo bem, em Portugal... upa, upa... Vai uma pessoa fazer 80 km para aturar estas coisas...

 

 

(Este texto está em Desacordo Ortográfico)

22.Fev.16

Coisas fofas da semana #21

Mi

Quando abro esta caixinha de texto para escrever o meu post semanal preferido, começo a pensar como está cada vez mais difícil eleger coisas fofas da semana... está difícil porque começo a aperceber-me que são tantas, mas tantas pequenas coisinhas fofas que preenchem os meus dias e o meu coração, e que transformam as minhas semanas em páginas eternas no livro das memórias.

Todas as fases na nossa vida nos trazem aprendizagens, e eu tenho aprendido como tenho tudo para ser feliz. Melhor ainda, tenho aprendido a acordar e a sorrir por (e para) mais um dia quer esteja cinzento lá fora, um frio de rachar (que nem me incomoda nada, na verdade) ou um lindo dia de sol. Todos os dias me tenho sentido abençoada pelas pessoas que tenho à minha volta, pelos gestos de amor e de carinho, pelas palavras e pelos sorrisos que me oferecem.

A vida é mesmo o que fazemos dela e durante esta semana que passou, a minha foi feita disto:

 

1 - Ir, pela primeira vez, a uma consulta de nutrição.

2 - Passar tempo com a minha mãe e vê-la sorrir.

3 - Fazer Shoulder Press e sentir-me forte!

4 - Poder ajudar os meus Pais e sentir que isso nos aproxima a todos.

5 - Poder ter tempo para fazer as coisas que mais gosto, por estar desempregada.

6 - Fazer um bolo! (Sim! É verdade! Acabou a minha restrição! :D Em breve publico a receita)

7 - Eu e o meu Namorado sermos também companheiros de Dieta :) (ainda que eu aldrabe a parte de só comer sopa ao jantar...)

 

 

 (Este texto está em Desacordo Ortográfico)

Pág. 1/3