Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livro de Reservas

Bem vindos ao Blog de uma Técnica Superior de Turismo. Dificuldades, Histórias, Curiosidades, Horas de Desespero e de Realização.

Livro de Reservas

30.Out.15

Houston, we have a problem.

Mi

Nada mudou desde que deixei o balcão do Bar do Hotel. Aliás... só piorou. Especialmente a parte em que vêm os clientes, com a mania, ensinar-me como servir um whiskey, ou tirar um café. Enfim... e a história repete-se.

Quando abrir um negócio próprio já sei como vai ser: um bar, com bebidas à disposição, eu sentada a actualizar os meus blogs e a instruir-me, sem contratar ninguém, pois cada cliente serve-se, regista no POS, bebe e vai-se embora. Tenho a certeza que dará mais sucesso do que aquele onde estou agora a trabalhar.

Ainda assim, pior do que aturar clientes é levar com frustrações dos patrões (quiçá, sexuais).

 

Hoje foi dia não... Até amanhã.

 

 

 

28.Out.15

Desvairos #1

Mi

Tenho saudades. De subir ao 6º andar daquele prédio na Quinta de Piedade. De ter a minha mãe a ir-me buscar à escola pela mão, de fazer os trabalhos de casa na mesa da cozinha enquanto ela preparava o jantar. Tenho saudades da simplicidade, dos dias repletos, do cheirinho do jantar. Dos trabalhos de casa, do sofá da sala e de andar de triciclo no corredor.

Tenho saudades de tudo o que já foi.

 

27.Out.15

O dia em que regressei para detrás de um Balcão...

Mi

Começou na sexta-feira e, desta vez, foi para um Balcão de Wine Bar (leia-se café de manhã, tasquinha à tarde e tasca à noite - mas Wine Bar é sempre chique). Nos últimos meses tenho trabalhado neste projecto como "braço direito do chefe". Inaugurámos na sexta-feira, sabe lá Deus como. E Ele sabe mesmo... Desde sexta-feira que a minha categoria profissional passou de Relações Públicas, Recrutadora e Orçamentista para Controladora de Restauração e Bebidas (é o que está no contrato; mas deve ler-se: empregada de balcão, copeira, higienizadora do espaço, profissional de marketing, semi-cozinheira, psicóloga e leitora de pensamentos). Agora perguntam: o que é que te deu na cabeça de voltar a lavar louça e fazer tostas mistas? Olhem, querem saber? Nem eu sei. Só sei que não tinha emprego e, na altura, as férias de Verão estavam-se a aproximar... precisava de uns trocos e tal... Agora, cá estou eu. Nem tudo é mau, porque hoje inauguro outra rúbrica muito interessante no Blog, designada: Conversas de Café.

Nao vão faltar histórias. Posso começar por dizer que dos cerca de dez clientes que hoje entraram no estaminé, 2 deles quiseram-me ensinar a tirar cafés e finos (leia-se imperial).

O primeiro, um senhor "de cor", perguntou-me se eu tinha alguma experiência nisto. Eu respondi: Nadinha! Nunca tirei um café na minha vida, acredita? (eu disse mesmo isto, a sério) (é importante dizer que o senhor era de cor para que possam imaginar o sotaque dele a perguntar: A menina percebe disto? - Adoro, porque fica mais engraçado).

O outro quase que entrou no balcão para ser ele a tirar o fino.

 

Bem, acho que nos vamos divertir muito por aqui...

 

 

26.Out.15

Christmasween

Mi

Venho aqui demonstrar a minha indignação pela antecedência, cada vez maior (diga-se de passagem), com que colocam artigos de Natal nas lojas. Onde é que já se viu misturar abóboras e esqueletos com anjinhos delicados, de tons dourados? Mas será que as superfícies comerciais não se conseguem decidir sobre que espécie de consumismo hão-de alimentar nas pessoas? Se o Halloween se o Natal?

Recuso-me a entrar em espaço que já tenham a árvore de Natal montada. Ainda sou do tempo em que o Natal se ia adivinhando no início de Dezembro, quando começavam os primeiros anúncios aos Nenucos e PinyPon's, quando, no correio, chegavam os catálogos de brinquedos e, com a minha irmã, passávamos o domingo a colocar cruzinhas em todos os nossos brinquedos de sonho.

Eu sou a pessoa que mais apoia o "ar de Natal". Sou uma viciada em Natal... mas ainda assim me contenho e não faço a árvore de Natal em Outubro, sob o risco de em vez de bolinhas vermelhas, ter de pendurar caveiras e abóboras.

 

 

Pág. 1/3