Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livro de Reservas

Bem vindos ao Blog de uma Técnica Superior de Turismo. Dificuldades, Histórias, Curiosidades, Horas de Desespero e de Realização.

30
Nov15

Coisas fofas da semana #9

Mi

A última semana de Novembro, significa, para mim, o início da contagem regressiva para o Natal. Resisto a ouvir músicas de Natal, finjo que não ligo às decorações nas lojas, ignoro por completo qualquer artigo relacionado com o Natal para que no dia 01 de Dezembro possa fazer "explodir" o meu espírito Natalício, que eu adoro :) A última semana de Novembro foi imprevisível (aparentemente como todos os dias da nossa vida) e trouxe também coisas fofas que gostava de recordar:

 

1 - Tomar um banho super quentinho depois de andar ao frio, a apanhar azeitona.

2 - Conduzir ao final da tarde, numa estrada nacional, e ver o sol tão brilhante, a fazer sobressair todas as cores do Outono.

3 - Regressar ao meu Artesanato.

4 - Jantar com os meus pais e o meu namorado.

5 - Ter um bocadinho para me sentar no sofá e ver os episódios dos Simpsons gravados, enquanto almoço.

6 - Preparar actividades diferentes para a Catequese, para o tempo do Advento, e ver que os garotos gostam.

7 - A minha mãe chegar ao pé de mim e dar-me um beijinho.

 

26
Nov15

Animais de Estimação

Mi

Dois gatos, um cão, um peixe, uma tartaruga e um canário. Já tive um hamster; o meu primeiro animal de estimação foi uma canária, chamada Chiquita. E o meu primeiro peixe de estimação era o Tobias.

Quantos mais animais tenho, mais quero e mais gosto deles. São seres que "apenas" retribuem o imenso amor, têm uma bondade invejável, são serenos e felizes.

 

Hoje a minha "irmã mais nova" e a sua família perderam a cadela mais fofa e gentil que conheci na minha vida. Treze anos depois. Passaram 13 anos desde que nasceu. E hoje, partiu tranquilamente. Depois de uma vida garantidamente feliz.

Sinto-me triste. Tão triste como se aquela Labrador tivesse vivido 13 anos debaixo do meu tecto...

 

Perder uma companhia, destroça-nos o coração...

 

24
Nov15

Efeitos da Sangria

Mi

Depois de encher o sistema circulatório de sangria tudo me parece muito cómico e desproporcional da realidade. Amanhã de certeza que não me vou lembrar de ter escrito este post, no auge da minha bebedeira. E perdoem-me a falta de discernimento e, quiçá, a falta de conteúdo tanto humorístico como informativo, mas quero aproveitar a minha onda de parvoíce para colmatar aquelas horas de "auto-pena"... Aconteceu uma coisa tão engraçada ao jantar que tinha que relatar (atenção que aqui a definição de "engraçada" pode variar segundo o leitor, tendo em conta o meu estado não-sóbrio).

Não pensei assistir a uma coisa tão peculiar como ver agluém chegar a um restaurante e pedir, para o jantar, uma salada de tomate e um fino. Apenas. E sal. E depois a conta. Faltou aqui qualquer coisa não foi? Foi! A sobremesa, claro!! :)

 

 

 

 

23
Nov15

Coisas fofas da semana #8

Mi

Começaram os trabalhos árduos da agricultura Outono/Inverno 2015 (leia-se, Azeitona e actividades inerentes), o que me tem roubado um bocadinho de tempo... de tempo e de temperatura corporal... sim, porque apesar de eu adorar o frio, o meu sonho não é andar com o nariz a pingar, de rabo para o ar, a apanhar uma azeitona de cada vez, de tão geladas que estão as minhas mãos.

Numa semana que continuou a ser de "emoções interiores fortes", sempre se encontra espaço para coisas fofas:

1 - O meu namorado dizer que no meio de defeitos que tenho (como qualquer pessoa), sou uma namorada perfeita.

2 - Fazer o bolo de aniversário da minha avó.

3 - Comer castanhas assadas da rua.

4 - Ter uma amiga (leia-se irmã mais nova) que me apoia incondicionalmente, me faz sorrir e me "puxa para cima".

5 - Ver o meu peixe a dormir.

6 - A minha mãe comprar-me material todo XPTO para eu continuar a desenvolver o meu artesanato.

7 - Sair à rua de cachecol e de poncho!! Adoro ponchos! :)

 

21
Nov15

E agora, quem me diz onde é o norte?

Mi

A modos que isto está um pouco complicado... Fica difícil de assimilar quando dei o meu melhor naquele projecto...e, muito dissimuladamente, levei um pontapé no rabo.

Estou naquela fase que só me apetece esconder debaixo dos cobertores e da minha manta que tem uma Torre Eiffel (sim, colecciono Torres Eiffel em diversos formatos.. e não, não tem nada a ver com o atentado).

Eu sei que soa a estupidez, mas ainda não consegui reagir muito bem a esta minha nova repetida condição. Fui empurrada para ela...

Não tenho vontade, iniciativa ou energia para fazer alguma coisa de novo. Tudo na minha vida está em stand-by... literalmente e não literalmente... tudo. E quem me dera não estar aqui a escrever este post lamechas, mas preciso mesmo de encontrar maneira de contornar esta fase emocionalmente instável. Eu sei como há tantos problemas sérios no mundo... olhem o Sócrates por exemplo. Acusado e tal... Também não sei como reagiria ver assim o meu nome a ser enxovalhado.

Bem, ja me sinto melhor... Pelo menos, estou só desempregada...

 

 

19
Nov15

It's all about Karma.

Mi

Alguém conhece o filme "Equalizer"? Podem assistir o trailler aqui, mas se tiver uma ligação de internet tão espetacular como a minha, eu poupo-lhe o sofrimento de esperar que o vídeo carregue e explico já, muito resumidamente: um senhor muito pacato e perfeccionista faz a justiça pelas próprias mãos, defendendo, secretamente, todos os desprotegidos. É isto o "core" do filme (Para quem não viu, recomendo!).

Agora que o "Equalizer" está apresentado, vou ligar com o meu tema de hoje: o Karma.

Vinha a conduzir para casa quando, por entre as minhas divagações, percebo que o Karma vem, de repente, e dá-nos uma valente bofetada na cara, que nos deixa a face negra por dias ou semanas. Ficamos de tal maneira desorientados que andamos algum tempo a assimilar o que se passou. A parte boa é que às vezes o Karma também joga a nosso favor, defendendo-nos qual "Equalizer", e vemo-lo a dar uma grande bofetada a quem nós sempre quisemos dar uma lição. Não é desejar mal, não é desejo de vingança... é so o Karma. É a justiça.

 

Entretanto, vou ali pôr gelo na minha face (emocionalmente falando) que o meu próprio Karma se virou contra mim, como podem ver aqui.

"Ai queres um trabalho por tua conta? Então agora desenrasca-te" E pumba. Lá vai uma bofetada.

 

 

 

 

17
Nov15

Dias de Sorte...

Mi

Volta e meia cá estou eu a enviar currículos, a procurar o meu lugar ao sol, buscando a realização profissional. Desde que me licenciei já fui a tantas, mas tanta entrevistas... já fiz tantas provas para concursos públicos e também já perdi a conta aos testes psicotécnicos. De tanta "experiência" junta, já sei que se vou muito descontraída, não vou passar, se vou muito nervosa, já sei que estou entre os seleccionados. E o que acontece depois? Algumas vezes, as portas fecham-se e não quer dizer que falhei, outras vezes, sou eu que lhes dou um leve encontrão...

Nestes anos todos tenho aprendido algumas coisas com as entrevistas e, quanto mais amadurecemos, mais percebemos aquilo que realmente queremos da nossa vida. Não ando "sôfrega" a aceitar o primeiro emprego que me aparece... pois apercebi-me que as entrevistas servem também para conhecermos a política da empresa, para compreender se os valores se identificam com os nossos, se nos sentimos a "encaixar" naquele local que será o nosso futuro posto de trabalho. E é aí que muitas vezes somos nós a fechar as portas. E acho que não tem mal nenhum. Há quem possa pensar ou dizer "com esta crise ainda te dás ao luxo de recusar propostas". Só considero que tudo tem uma fase na vida... e acho que não estou mais na fase de me "sujeitar", de agarrar o que vier. Não quero ser mal interpretada... o que estou a tentar dizer é que não me consigo conformar com o que simplesmente aparece. Não tenho medo de trabalhar, na verdade! Já andei de piaçaba na mão a limpar casas de banho, todos os dias, e não morri por isso. Mas claro que quando me licenciei criei objectivos e expectativas que continuo a procurar. Porque acredito que a sorte se procura. E eu tenho procurado... se tenho!

 

Hoje realizei mais uma catrefada  caterva de testes psicotécnicos. E só não entendo como é que "enfiam" meia dúzia de pessoas que não se conhecem de lado nenhum, nem travam conversa na sala de espera, para um "exercício de grupo" em que temos sempre que escolher ou 10 pessoas, ou 10 objectos ou 10 sei lá o quê. Isto para mim sai tanto da minha zona de conforto que me apetece sair. Pior é quando entram os "avaliadores" e são mais que o número de pessoas a serem sujeitas à avaliação. E rabiscam, rabiscam e eu ali a tentar convencer as pessoas que é sempre melhor levar 5 mantas para uma avalanche nos Pirinéus que uma lona de 5 metros. E alguém me pode esclarecer também se é legal ficar 3 horas a fazer testes psicotécnicos? Eu já estava tão cheia de fome que comecei a aldrabar os testes não sei de quê bateria comercial e não sei quê de personalidade, só para despachar a coisa. Aquele dos dominós ainda se safou... (pudera, foi logo o primeiro). Acho que o que safou o meu dia, foi sair, já tarde, depois do sol posto, com um frio do caraças e cruzar-me com a senhora das castanhas. Isso é que me aqueceu a alma. E lá fui toda contente pela rua a cheirar a Outono e a dias frios, comendo castanhas, aquecendo as mãos no pseudo-cartucho (que agora não pode ser de jornal) e a pensar como sou feliz por querer encontrar o meu lugar no mundo. A sorte procura-se. Acho que é importante reiterar... Eu continuo a procurar a minha.

 

 

16
Nov15

Coisas fofas da semana #7

Mi

A semana foi marcada por (mais) um ataque terrorista que dispensa apresentações. Pensei não escrever este post sobre coisas fofinhas, porque neste momento acredito que quem viveu, quem sobreviveu e quem nunca esquecerá o que este terrorismo lhe tirou, não tem nada de fofinho na sua semana para contar. E estes pensamentos deixam-me triste e impotente. Contudo, todos sabemos que a vida continua, os minutos passam independentemente da dor ou da alelgria. Passam para todos. E sem muitas vezes darmos conta, todos os minutos são uma realidade diferente para toda a gente. A discrepância mais flagrante que podemos observar é exactamente nas redes sociais. Nas primeiras horas após os ataques vemos terror, misturado com sorrisos de pessoas a celebrarem a vida, a tirarem selfies, a eternizar momentos que lhes são queridos, a par com notícias de horror, com imagens saídas de filmes... E é esta a prova ue a vida segue... sem esperar que as pessoas curem as suas mágoas, sem esperar que alguém não tenha sorrido. É esta a discrepância do mundo, que podemos ver em minutos numa qualquer rede social. E estas coisas deixam-me a pensar. Estão todos a pedir que rezemos por Paris, pelo Mundo. Eu faço-o, de vez em quando; de vez em quando as minhas intenções de oração vão para a Paz no Mundo e aqui no meu egoísmo, sou capaz de acreditar que se fôssemos todos realmente mais religiosos (cada um com a sua crença) seríamos mais unidos e não nos deixaríamos atacar por minorias que percebem as nossas fragilidades e as nossas fraquezas. Acho que este é realmente o problema do mundo Ocidental que todos os terroristas já perceberam: somos desunidos no dia-a-dia, rejeitamos a nossa própria religião, falamos mal dela, deixamos de amar o próximo, deixamos de ser coesos. Eles percebem que fazemos grandes manifestações de solidariedade, mas e depois de tudo isso? Precisamos de outro "abre-olhos" para remarmos todos para o mesmo lado? Eles já perceberam que somos frágeis e coniventes.

E vou continuar a rezar pela Paz no Mundo sim, por Paris, especialmente. E vou continuar a agradecer a Deus, todos os dias, por ter a possibilidade de continuar a contar as coisas fofinhas que acontecem na minha vida:

 

1 - Voltar aos jantares semanais com o meu namorado

2 - Aprender que é preciso saber dizer não, é preciso descobrir o que é relamente importante para mim, para o meu crescimento e para a minha realização profissional. Ainda estou a lidar com algumas consequências de fazer as coisas só porque me sinto socialmente pressionada...

3 - Sentir que a minha ajuda foi importante para alguém.

4 - Encher a barriga de castanhas.

5 - Desenvolver os meus pequenos projectos.

6 - Ouvir Cd's antigos com o meu namorado.

7 - Almoçar em casa ao Domingo.

 

 

13
Nov15

Na Cozinha - Uma sugestão doce para quem teve azar nesta Sexta-feira 13!

Mi

A minha actividade preferida é fazer bolos pela noite dentro. Este é um dos resultados: Bolo de mirtilo e Queijo Quark. Sabem aquela sensação de estarem a trincar uma nuvem? Não tenho outra forma de o descrever. Fica tão esponjoso e tão delicado no sabor. Nem azedo, nem doce. Um verdadeiro regalo para esquecer todos os azares!

Mirtilo carimbo.jpg

 

 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

Check-in

Bem-vindos às dificuldades, às histórias, aos testemunhos e às curiosidades, às horas de desespero e de realização de uma Técnica Superior de Turismo que em part-time não passa de uma Turista vagueando pela vida, fazendo reservas aqui e ali num Hotel chamado Mundo.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Seguir também em...

Arquivo de Reservas

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D